Estudos de mereologia / Mereological Studies - Guilherme Ghisoni

A ideia deste ensaio foi motivada por duas reflexões.

A primeira diz respeito à distinção entre espaço pictórico e espaço físico, no pensamento de Clement Greenberg. Segundo Greenberg, na arte moderna, cada arte busca aquilo que lhe é único e irredutível. Nessa virada reflexiva, a pintura, a partir de Manet, cada vez mais teria se tornado tinta sobre superfície plana – distanciando-se da ilusão de um espaço físico tridimensional (que seria próprio da escultura).

A segunda reflexão que motiva este ensaio tem como base as ideias de Dominic Lopes, acerca da imagem como aspectos visuais espacialmente unificados. Segundo Lopes, em uma imagem, cada parte deve ser representada como mantendo certas relações espaciais com todas as outras partes.

A partir dessas ideias de Greenberg e Lopes, o seguinte questionamento me motivou: como expressar visualmente um espaço pictórico usando a fotografia, que nos distancie do espaço físico (próprio da escultura), levando ao limite a tese de Lopes, da imagem como um espaço unificado, no qual cada parte ainda mantém relações espaciais com todos as outras partes?

As imagens do ensaio “Estudos de mereologia” são o resultado de giros circulares de partes da imagem, preservando a posição dos círculos em relação ao todo da imagem. Desse modo, busco construir um espaço pictórico, no qual a composição visa se afastar (ou denunciar) a ilusão do espaço físico tridimensional, mas que ainda preserva alguma forma de relação espacial entre as partes da imagem que compõem o todo.